Friday, May 15, 2009

Ele se assustou porque o choro veio fácil e olhava deslumbrado o filete que escorria na porcelana. Estranha era essa criatura que vinha de outro planeta, pensava, porque ela se atentava a todos os detalhes possíveis para depois transforma-los em poesia e, além disso, tinha esse olhar de despedida que muito parecia um ritual de incertezas! Ela, por sua vez, esforçava-se para aprender com ele que as pessoas são da terra e nela permanecem, enquanto que o coração, este derrete-se e reconstitui-se a todo o instante, como a fênix inevitável da paixão. “Não esperar nada de ninguém”. Mas isso só faria sentido mais tarde.

3 Comments:

Blogger Life in Every Breath said...

não esperar nada de ninguém é tão complicado, né?
mas ser humano é tão esquisito...tem horas que é melhor não esperar mesmo. hehe
ótimo texto! :*

4:13 PM  
Blogger Manifestante said...

Oi prima. Cheguei ao seu blog através do blog da sua irmã postiça.

Poxa, não sabia que você escrevia tão bem assim. Li alguns textos e fiquei impressionado com a qualidade. Parabéns, você tem talento mesmo.

Eu criei um blog recentemente, quando quiser espiar, apareça por lá.

Beijo.
http://eumanifesto.blogspot.com/

7:19 PM  
Blogger Manifestante said...

Acertou. hahaha
É que eu sou tímido e preferi usar codinome.

Seja bem vinda, elogie ou critique, mas manifeste-se.

Beijo

7:58 AM  

Post a Comment

<< Home