Tuesday, June 26, 2007

Não diz respeito a nós as coisas do corpo, porque este costuma interromper-se em algum instante, limitado e finito. Mesmo que seja este corpo a tela em branco na qual se darão as minhas artes, jamais ele se prolongará ao entrelaçamento puro e doce das nossas relações de alma. Usaremos os nossos corpos, então, apenas como atores sensíveis que interpretarão os nossos desejos voluptuosos, ou os ingênuos – as manifestações rudes do amor. Perceba que assim estaremos livres de toda a parte pesada e insustentável que compõe o mundo. O infinito pertence a nós.

2 Comments:

Blogger rodrigo said...

This comment has been removed by the author.

10:48 AM  
Blogger rodrigo said...

tomei a liberdade de citar esse texto no meu profile...

adorei a psicologia prática inserida!

:]

10:49 AM  

Post a Comment

<< Home